O preço da Allied (ALLD3) caiu bastante ao longo de 2021.  Assim como varias outras boas empresas. O que podemos esperar desta companhia ?

O IPO em Abr-2021 saiu no preço de R$ 18,00.  Agora, quando este texto está sendo publicado, a ação está em R$ 15,25, resultando em múltiplos de P/L de 4,2x, EV/EBITDA de 4,2x e P/VP de 1,0x que sugerem uma precificação atraente para o investidor. 

Um ultimo trimestre desafiador

O primeiro semestre de 2021 foi muito bom para a Allied.  Mas o 3T21 foi difícil.  Uma virada no último trimestre de 2021 é improvável. 

Preço da ação em baixas históricas, sozinho, não significa nada.  Vamos olhar os fundamentos estratégicos e operacionais da Allied e o que podemos esperar, no médio e longo prazo, em termos de crescimento, de rentabilidade, escalabilidade e resiliência. 

Para todos os players de eletrônicos a Black Friday ficou abaixo das expectativas. Vendas de Natal estão mornas.  Com a Allied não deve ser diferente. O volume de vendas não será forte como de 4T20: R$ 1,6 bi de Receita Líquida, um recorde na história da empresa que gerou um EBITDA de R$ 132 milhões (8% de margem).  Portanto a comparação deverá ser desfavorável. 

A proteção de bons fundamentos

Para um investidor não imediatista a Allied tem qualidades estruturais bastante interessantes:  Altas barreiras de entrada devido à complexidade da sua bem montada operação (não é fácil replicar), a complementaridade de seus negócios que ao crescerem criam oportunidades e sinergias com os demais, o papel estratégico do business de Distribuição para os fabricantes que não têm motivos para se aventurar com distribuidores menores e menos experientes.  A gestão financeira é conservadora e eficiente. 

A Allied opera com comércio de eletrônicos principalmente celulares, computadores pessoais, videogames e tablets.  São três linhas de negócios:

Fonte: Material do RI da Allied

Crescer receita e melhorar margens

A pandemia causou muita turbulência na atividade de comércio, beneficiando os negócios online em detrimento dos físicos.  Nas “janelas” em que o comercio físico operou com restrições menores houve uma recuperação intensa.  Isso gerou muitas oscilações nas receitas e nas margens.

O quadro abaixo mostra as receitas trimestrais, a predominância do business de Distribuição e a tração atingida pelo Varejo Digital, “virando o jogo” sobre o Físico no 2T20.  As restrições ao varejo físico na pandemia afetaram o nível de receitas.  A tendência se manterá graças à escalabilidade do e-commerce. 

O objetivo da Allied é buscar um mix onde Distribuição e os Varejos respondam cada um por 50% das receitas.  Chama a atenção também o aumento das Receitas Totais nos últimos anos.

Fonte: Grafico elaborado pelo Portal Smallcaps com dados do RI

Desde 2018 o CAGR das receitas brutas é de 31%. 

A Allied dispõe de mercado potencial e capacidade de seguir crescendo as receitas.  Novas categorias de produtos e novos businesses vem sendo incorporados ao portfolio. Alem de expandir os eletrônicos (Casa Inteligente por exemplo) a companhia passou a operar a Linha Branca, por enquanto incipiente, mas com boas perspectivas de crescimento. Ha novos negócios como o aplicativo de crédito SOUDI e outros em estagio inicial que complementam prateleira da Allied.

Crescer os segmentos com margens maiores

Fonte: Grafico elaborado pelo Portal Smallcaps com dados do RI

As margens brutas são bem maiores no Varejo.  A Allied divulga apenas os indicadores dos dois Varejos combinados.  Elaboramos o gráfico acima com os dados de cada trimestre na base LTM para amenizar as fortes oscilações causadas pela pandemia em cada trimestre.  A margem na Distribuição tem uma convergência para os 9,5% e 10,0%, nos Varejos para 28%.  Hoje a Margem Bruta Total fica nos 15%. 

Se o mix chegar nos pretendidos 50%-50%, ainda um longo caminho pela frente, a Margem Bruta Total vai para 18,5%, aumento de 3,5 pontos percentuais.  

No próximo quadro além de dados sobre receitas nos trimestres temos os indicadores de EBITDA e de Lucro Líquido recorrentes.  As respectivas margens estão ao redor de 7,0% e 3,5%.  Um aumento na margem bruta de 3,5 pontos percentuais teria um substancial impacto nessas 2 margens

Fonte: Material do RI da Allied

No aspecto de liquidez e alavancagem, os indicadores da Allied são bastante confortáveis.  A empresa encerrou o 3T21 com um volume de Caixa de R$ 461 milhões e Dívida Bruta Total de R$ 421 milhões (R$ 288 milhões no LP).  Portanto com sobra de caixa. 

Detalhes das 3 linhas de negócios

Distribuição: R$ 3,1 bilhões de Receita Líquida nos 9M21 respondendo por 77% do total.  Neste business a Allied opera como um atacadista comprando dos fabricantes e vendendo aos varejistas.  Por receita é, de longe, o principal negócio da empresa.

Para os fabricantes a vantagem de operar através da Allied está no fato de que muitos varejos têm características específicas que a indústria não tem capacidade de atender ou não quer como volume transacionado, logística para entrega, frequência de compra, risco de crédito, etc.  

A Allied através da captação de muitos dados de mercado define a melhor compra (dos fabricantes), armazena os produtos, faz a venda do mix de produtos mais adequado ao varejista, faz a logística das entregas, com grande capilaridade por todo o Brasil e, claro, cuida da cobrança e gestão de crédito.  

A empresa possui 5 Centros de Distribuição (SC, SP, ES, MG e AM) , atende 3,5 mil clientes e vende anualmente 10 milhões de itens.

Para grandes marcas de eletrônicos no Brasil a Allied é uma parceira chave que viabiliza a venda e entrega de produtos para um enorme número de varejistas.  Para as marcas Samsung, LG, Apple e Microsoft o gráfico a seguir mostra esta importância.

Fonte: Material do RI da Allied

Já para os Varejistas a vantagem é que eles conseguem concentrar num único parceiro, no caso a Allied, as compras de determinadas categorias ou marcas.  Isso reduz o tamanho das equipes de compras e a complexidade dos controles, além de obter preços competitivos nas compras graças à grande escala da Allied.

Varejo Digital: R$ 568 milhões em Receitas equivalentes a 14% do total.  O produto mais vendido pela Allied neste canal é celular.  Atuação nos principais marketplaces através da marca Mobcom, e-commerce próprio e mais 31 lojas online.  Opera Lojas Virtuais Autorizadas da Apple e Google.  Vende também através dos sites das operadoras de telecom.  E oferece serviços como plataforma de vendas para varejo, solução de crédito online e meio de pagamento.  A receita desse segmento cresceu 62% em comparação ao segundo trimestre de 2020

Varejo Físico: R$ 133 milhoes em Receitas, 9% do total.  A empresa conta com 258 pontos de vendas.  São duas linhas de atuação: 

  • Lojas Samsung – A Samsung conta com 330 Pontos de Vendas (PDVs = lojas e quiosques) no Brasil.  São operados por parceiros dentre eles a Allied, que possui 161 PDVs e responde por 45% das operações neste segmento da Samsung.  A Allied é o 2º maior master franqueado da Samsung no mundo.  Os atuais 600 shoppings operando no Brasil representam um enorme potencial de expansão para as Lojas Samsung, e por consequência para a Allied.
  • Store-in-Store, com 181 PDVs.  Neste modelo a Allied ocupa uma área dentro da loja do varejista.  Ele não precisa fazer nenhum investimento.  A empresa opera a venda de eletrônicos, com mercadoria e funcionários próprios.  O varejista recebe uma comissão sobre as vendas.  São empresas como Marabraz, Sam’s Club, Maxi Atacado, Torra e Giga Atacado, entre outros.  No Varejo Fisico esta linha deverá crescer bem mais que a operação física Samsung.  O potencial de expansão deste business, apesar de não quantificado, é muito alto pois a grande escala da Allied traz um ganho de eficiência que o varejista não consegue replicar.  É um ganha-ganha para o Varejista e Allied.

A complementaridade dos 3 negócios

O business de Distribuição é a plataforma através da qual a Allied consegue fazer a expansão no Varejo, digital ou físico, de um modo mais assertivo conseguindo escala na logística e obtendo preciosas informações sobre os mercados, produtos e consumidores. 

Alem disso as lojas físicas permitem a omnicanalidade da operação.  São 160 lojas integradas aos principais Marketplaces que operam o “Pick-up in store” (compra online e retirada na loja mais próxima) e “Ship from store” (compra online para receber em casa produto de uma loja próxima ao cliente).

Essa ação conjunta e complementar das 3 linhas de negócio gera um processo de assertividade na abertura de PDVs, traz uma contínua ampliação da escala das operações, otimiza os processos, reduz do tempo de entrega e evidentemente reduz os custos.  É um ciclo virtuoso.

Perspectivas de curto prazo

Um grande problema da indústria em 2021 foi a quebra nas cadeias de suprimentos, gerando falta de componentes, de produtos e aumentos dos custos.  Há um consenso no mercado de que ao longo do 2T22 o problema será sanado.  Com isso, ainda em 2022, os fabricantes retomarão os lançamentos de novidades o que deve estimular o consumo. 

O 5G também trará alento e maior demanda além de acelerar o mercado de usados/recondicionados.  A recém adquirida “BRUSED” é uma empresa especializada em vendas de celulares usados.  Ainda um negócio pequeno na Allied, a BRUSED tem um potencial muito interessante.  Ela será uma peça chave para a “reciclagem” dos aparelhos devolvidos do programa “iPhone para sempre” (veja a seguir).  Mas há também um grande potencial de exploração de outras marcas. Este negocio, típico de “economia circular” com impactos ambientais positivos tem um bom apelo ESG.

O programa “iPhone para Sempre” uniu a Apple, Banco Itau e a Allied e se transformou em um dos maiores canais de venda da Apple no Brasil.  Toda  operacionalização logística é por conta da Allied que também vai cuidar da recepção dos aparelhos devolvidos no 22ºmes ( a primeira “safra” acontece no mês de Mai-2022). 

Concluindo, há um bom potencial no médio e longo prazo para o investimento na Allied, principalmente considerando o preço atual.  A empresa tem tamanho, reputação no mercado e histórico de desempenho.  Está protegida por boas barreiras de entrada.  A estrutura de capital é bastante confortável.  Sua estratégia de crescimento alia elevação de receitas com progressiva melhoria nas margens e ao mesmo tempo cria mais oportunidades de ganhos de eficiência pelo aumento da integração dos seus businesses.

Siga nosso Twitter: https://twitter.com/portalsmallcaps

Instagram: www.instagram.com/portalsmallcaps

NÃO SE TRATA DE RECOMENDAÇÃO DE COMPRA OU VENDA

Sobre o Autor: Claudio R. Cusin é Engenheiro Mecânico formado pela Poli (USP) e Economista formado pela FEA (USP). É atualmente consultor de finanças tendo trabalhado no mercado financeiro por 30 anos. Foi Diretor de Credito e de Risco em vários bancos de investimento e comerciais. Email: claudio@smallcaps.com.br

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente artigo!
    Sempre bom ver a cobertura de empresas descontados na bolsa. Allied é uma das minhas posições favoritas. Ótimo momento para comprar e acumlar.
    A única crítica que eu faço ao artigo é que não houve nenhum comentário a respeito da pendência judicial da Operação Descarte. Eu acho esse um ponto relevante, embora tenha quem discorde (incluindo a própria empresa).

    Um outro detalhe importante é que vale lembrar que as ações só estão disponíveis para serem negociados por investidores qualificados, no momento.

    Abraços!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui