Janeiro de 2022 – A Wiz Soluções (WIZS3) reverteu as dúvidas dos investidores acerca da perenidade do negócio. Os balanços trimestrais da Companhia no ano ratificam a assertividade na estratégia de diversificação de parcerias e atuação. Mesmo com a perda gradativa de receita do parceiro histórico, a Caixa Seguridade, a empresa de 48 anos deve fechar o ano de 2021 próximo dos R$ 900 milhões de Receita Bruta obtidos no ano passado. Mas então onde a Wiz, avaliada atualmente em R$ 1,2 bilhão na Bolsa de Valores (B3), pode chegar?

O cenário macroeconômico global de recessão, com o impacto da Covid-19, e a instabilidade política nacional evidenciam ameaças, mas também oportunidades para ganhos reais a depender da pressa ou do apetite de rentabilidade em movimentos de renda variável. Caso a CSH – Caixa Seguros Holding, confirme a venda de seu percentual acionário de 25% na Wiz um novo impulso poderá ser dado à Companhia. Torná-la uma partnership está no radar e deve ampliar ainda mais o senso de dono e o profissionalismo da alta liderança e dos colaboradores.

Independentemente disso, uma retrospectiva do ano da Wiz mostra um horizonte bastante promissor, dado o sucesso da gestão de Heverton Peixoto, CEO da Companhia. A cultura organizacional meritocrática, ágil e focada em resultados, a governança corporativa e o papel de líder na revolução digital do mercado de seguros estão fortalecidos. A consolidação dos contratos e resultados com Inter e Bmg, bem como as expectativas favoráveis advindas dos acordos mais recentes com Itaú, Santander, Banco do Brasil e, principalmente BRB, trazem credibilidade.

“A Wiz é uma empresa B2B2C única, capaz de rentabilizar negócios de parceiros atrelados a seguros e produtos financeiros, sempre com inovação para gerar eficiência e experiências positivas. É com tecnologia, dados, inteligência e amplitude de portfólio e extração de valor que superamos com brilhantismo este ano tão desafiador e estamos prontos para ir em busca de um recorde: R$ 1 bilhão de faturamento, em 2022”, afirma o CEO da Wiz, Heverton Peixoto.

A Wiz tem 40% de participação no capital da Inter Seguros, plataforma digital com mais de 17 produtos – cujo portfólio inclui proteções para celular e pets. O acordo firmado em 2019 vem apresentando crescimento exponencial de vendas e prêmios (detalhes abaixo), tal como da carteira de clientes ativos: já são cerca de 1 milhão, frente 180 mil no 3T20. A parceria estabelecida até 2069 agregou R$ 11,5 milhões aos cofres da Companhia nos três primeiros trimestres deste ano (via equivalência patrimonial).

Logotipo

Descrição gerada automaticamente com confiança média

Na Bmg Corretora, a Wiz também detém 40% de capital e o montante alcançado já foi de R$ 154,7 milhões, só nos três primeiros trimestres do ano, o que representa 22% da Receita Bruta da Companhia no período. Valor catapultado especialmente pela venda de seguros prestamista e de vida. O contrato é de 20 anos.

Tabela

Descrição gerada automaticamente

Dentre as parcerias firmadas ao longo de 2021, a com o Itaú para a oferta de consórcios está mais avançada e deve apresentar impacto significativo na receita da Wiz no começo de 2022. Já o acordo para a oferta de financiamento imobiliário com o Banco tende a ser relevante a partir do terceiro trimestre do ano que vem.

Os vínculos com Santander e Banco do Brasil, também para a comercialização de consórcios, tendem a ganhar tração a partir de 2022. A Wiz Parceiros, unidade de negócio da Wiz com foco na distribuição de crédito, está com cerca de 23 mil agentes comerciais credenciados, movimentou mais de R$ 5,6 bilhões e conquistou 8% do market share do segmento de consórcios no ano passado.

Por conta de todos esses acordos, o mercado financeiro reagiu com otimismo à performance da Wiz. Analistas do BTG e do Itaú BBA recomendaram entre junho e julho a compra das ações da Companhia, que saltaram de R$ 7,84 no começo do ano para R$ 18,54. Com preço-alvo futuro de R$ 23,00, o que representaria um aumento de 33%. No entanto, as mudanças no cenário macroeconômico, bem como as especulações acerca das mudanças na estrutura societária do Grupo prejudicaram a performance da ação no segundo semestre do ano, resultando em um valor de R$7,96 no fechamento de 2021.

Ainda em sua obstinada jornada pela manutenção dos altos níveis financeiros, a Wiz firmou importante contrato no modelo bancassurance com o Banco de Brasília, por 20 anos, em junho do ano passado. O BRB está em um processo de modernização e conseguiu em um ano e meio mais de 2 milhões de correntistas só no banco digital Nação Fla, uma parceria com o Flamengo.

“A operação com o BRB é uma das mais relevantes parcerias concretizadas pela Wiz nestes últimos 2 anos. Estamos convictos de um impacto relevante na receita já ao final de 2022, além da manutenção de um crescimento escalável nos resultados”, comenta o CEO da Wiz, Heverton Peixoto

Sem botar o pé no freio, a Wiz ainda trouxe à tona mais duas iniciativas de diversificação e expansão de negócios nesta reta final de ano. A criação das joint ventures BenTech, uma parceria com a LG lugar de gente para a oferta de benefícios por adesão junto às áreas de Recursos Humanos de grandes e médias empresas, e da Wimo, na consolidação dos laços com a Galapagos Capital para a oferta de crédito direto ao consumidor final.

Por fim, em Novembro a Wiz trouxe Antonio Cássio dos Santos para a presidência do Conselho de Administração. O economista tem mais de 40 anos de experiência no mercado segurador e é reconhecido como liderança bem-sucedida no Brasil e no exterior por suas passagens pelos grupos Mapfre, Zurich, Generali e IRB.

Durante 2021, a Wiz concluiu sua primeira emissão de debêntures, o que permitirá que a Companhia siga aportando recursos em suas iniciativas de crescimento inorgânico. A Companhia vem tendo ainda lucros líquidos e pagando dividendos abundantes ao longo dos últimos anos.

Com toda essa determinação, aparato, estratégia e condição, a Wiz mira especialmente novos canais bancassurance, segue com forte aporte em tecnologia – deve ser uma das pioneiras em Open Insurance e tem a ambição de figurar entre as 10 maiores corretoras de seguros do mundo até 2026.

Para tanto, além de muito trabalho, a Wiz precisará contar com a valorização do mercado nacional. Um levantamento feito em 2020 pela consultoria internacional Insuramore, especializada em seguros, aponta que a USI Holdings ocupava a parte baixa das Top 10 maiores corretoras de seguros do mundo com 1,9 bilhão de dólares em faturamento. Para 2022, a Wiz projeta algo em torno de 170 milhões de dólares (ou 1 bilhão de reais). O caminho é desafiador. De todo modo, dá para apostar contra a Wiz?

______________

Thiago Ribeiro é investidor há 12 anos, ex executivo, hoje investidor profissional e consultor de valores mobiliários registrado na CVM.

tpar.investimentos@gmail.com

NÃO SE TRATA DE RECOMENDAÇÃO DE COMPRA OU VENDA

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal
Small Caps

Caso você também queira escrever em nosso Portal, envie seu texto
para contato@smallcaps.com.br. Além do texto, precisamos de sua assinatura, com
nome e qualificação. Nos reservamos o direito de decidir quais textos iremos ou
não publicar.

Siga nossas redes sociais
Twitter: www.twitter.com/portalsmallcaps
Instagram: www.instagram.com/portalsmallcaps

1 COMENTÁRIO

  1. Respeito muito o time da Wiz, vender seguro não deve ser fácil. Mais que isso por ser uma empresa que está no Best place to work frequentemente, por ter projetos sociais na área de educação, algo que o pais carace muito e por sempre estar buscando melhorar, buscando novas tecnologias, etc.
    Tenho em carteira, zero preocupação com quedas.
    Com calma e responsabilidade financeira que sempre demonstraram, seria interesante se a Wiz comprase uns app de compra de veiculos e imoveis, para poder oferecer outros produtos. Aliás ainda acredito na ideia de entrar forte na area imobiliaria.
    Animado com a ideia de partner ship.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui